Você está aqui: Página Inicial / UEM debate criação de curso para imigrantes e refugiados

UEM debate criação de curso para imigrantes e refugiados

2017-03-29 Reunião ILG Haitianos- MG 2005

Assunto foi discutido na última quarta-feira; haitianos reclamam que a falta de domínio da língua portuguesa dificulta a inclusão deles na sociedade

 

A Universidade Estadual de Maringá (UEM) está debatendo a criação de um Projeto de Cursos de Lingua Portuguesa para atender a uma comunidade de haitianos. A primeira discussão ocorreu na quarta-feira (29), quando membros da Comissão de Estudo e Criação de Política Institucional de Apoio aos Imigrantes da Universidade Estadual de Maringá (UEM), criada em dezembro de 2016, reuniu-se com um grupo de haitianos, professores do Departamento de Letras (DLE), Instituto de Línguas (ILG), voluntários e representantes de ONGs que trabalham no apoio aos imigrantes, refugiados e portadores de visto humanitários que vivem em Maringá e região.

 De acordo com Wilner Jean Baptiste, haitiano que vive em Maringá há 3 anos, a falta do domínio do português é o principal empecilho para a inclusão dos imigrantes na sociedade, seja no trabalho ou numa instituição de ensino.

2017-03-29 Reunião ILG Haitianos- MG 2023

A pró-reitora de Ensino, Ana Obara, enfatizou que na UEM já existem cursos e projetos voltados ao ensino do Português para alunos estrangeiros, da graduação e pós-graduação, e mesmo para a comunidade externa.

Segundo Ana, esta reunião visou "unir os esforços existentes para potencializarmos ações, considerando as particularidades atuais. São inúmeros imigrantes e refugiados que necessitam de níveis diferenciados do idioma, pois alguns já tem um domínio básico, pelo tempo que vivem no Brasil, e outros que acabam de se instalar no país".

Ainda conforme a pró-reitora, "há interesses distintos também. Existem imigrantes que já têm graduação ou pós-graduação em seu país de origem e querem se inserir na universidade. Por isto, precisam de um nível mais elevado de domínio da Língua Portuguesa. Há outros que necessitam de um domínio básico para conseguir se comunicar no cotidiano”. Ainda neste mês será realizada uma reunião de trabalho para a elaboração de uma proposta de programa ou curso de língua estrangeira direcionado aos haitianos

 

Matéria retirada do site da Assesoria de Comunição Social - ASC